Organização Mundial da Saúde - OMS | Perguntas e respostas sobre o Coronavírus

 12/02/2020


Organização Mundial da Saúde - OMS Perguntas e respostas sobre prevenção e controle de infecções para profissionais de saúde que cuidam de pacientes com suspeita ou confirmação de 2019-nCoV 10 de fevereiro de 2020


  • Botas, aventais impermeáveis ou macacão são necessários como equipamento de proteção
    individual (EPI) de rotina para profissionais de saúde (PS) que cuidam de pacientes com
    suspeita ou confirmação de infecção por 2019-nCoV?

    Não.
    As orientações atuais da OMS para os profissionais de saúde que cuidam de pacientes
    com doença respiratória aguda por 2019-nCoV suspeita ou confirmada, recomendam o uso de
    precauções de contato e gotículas, além das precauções padrão, que sempre devem ser
    usadas por todos os profissionais de saúde para todos os pacientes.

    Em termos de EPI, as precauções de contato e gotículas incluem o uso de luvas descartáveis
    para proteger as mãos e um avental limpo e não estéril de manga longa para proteger as
    roupas da contaminação, máscara cirúrgica para proteger o nariz e a boca e também proteção
    para os olhos (por exemplo, óculos de proteção, proteção facial), antes de entrar na sala onde
    pacientes com doença respiratória aguda suspeita ou confirmada por 2019-nCoV estão sendo
    atendidos. Os respiradores (por exemplo, N95) são necessários apenas para procedimentos de
    geração de aerossóis.

  • As máscaras cirúrgicas descartáveis podem ser esterilizadas e reutilizadas?

    Não.
    As máscaras cirúrgicas descartáveis destinam-se apenas a uma única utilização. Após o
    uso, devem ser removidas usando técnicas apropriadas (ou seja, sem tocar na frente,
    removendo e puxando as tiras elásticas da orelha ou laços por trás) e descartadas
    imediatamente, seguida de higiene das mãos.

  • Por que a OMS recomenda precauções de contato e gotículas e não o uso rotineiro de
    precauções por aerossóis para profissionais de saúde que prestam atendimento a pacientes 
    com suspeita / confirmação de infecção por 2019-nCoV?

    A OMS desenvolveu sua orientação com base no consenso de especialistas internacionais que
    consideraram as evidências atualmente disponíveis sobre os modos de transmissão do 2019-
    nCoV. Essa evidência demonstra transmissão viral por gotículas e contato com superfícies
    contaminadas do equipamento; não suporta transmissão de rotina no ar. A transmissão por via
    aérea pode ocorrer, como foi demonstrado com outras doenças respiratórias virais, durante
    procedimentos de geração de aerossóis (por exemplo, intubação traqueal, broncoscopia),
    portanto, a OMS recomenda precauções aéreas para esses procedimentos.

  • A OMS recomenda máscaras de rotina para pessoas saudáveis durante o surto de 2019-
    nCoV?
     

    Não. A OMS não recomenda que indivíduos assintomáticos (ou seja, que não apresentem
    sintomas respiratórios) na comunidade usem máscaras cirúrgicas, pois atualmente não há
    evidências de que o uso rotineiro dessas máscaras por indivíduos saudáveis impeça a
    transmissão de 2019-nCoV. Recomenda-se que as máscaras sejam usadas por pessoas
    sintomáticas na comunidade. O uso indevido e o uso excessivo de máscaras podem causar
    sérios problemas de falta de estoque e falta de disponibilidade de máscara para aqueles que
    realmente precisam usá-las.

    Nas instituições de saúde onde os profissionais de saúde cuidam diretamente de pacientes
    com doença respiratória aguda suspeita ou confirmada por 2019-nCoV, as máscaras são uma
    parte importante da contenção da propagação de 2019-nCoV entre as pessoas, juntamente
    com outros EPIs e higiene das mãos.

  • Os pacientes com suspeita ou confirmação de 2019-nCoV precisam ser hospitalizados se
    tiverem doença leve? 

    Não.
    Para pacientes com doença leve, por exemplo, febre baixa, tosse, mal-estar, rinorréia,
    dor de garganta sem nenhum sinal de alerta, como falta de ar ou dificuldade em respirar,
    sangramento das vias respiratórias (hemoptise), sintomas gastrointestinais como náusea,
    vômito e / ou diarréia e sem alterações no estado mental, a hospitalização pode não ser
    necessária, a menos que haja preocupação com a rápida deterioração clínica. Todos os
    pacientes que receberam alta para casa devem ser instruídos a retornar ao hospital se
    desenvolverem algum agravamento da doença.

  • São necessários hospitais especializados ou de referência para pacientes com suspeita ou
    confirmação de infecção por 2019-nCoV quando a hospitalização é necessária? 

    Não.
    As recomendações atuais da OMS não incluem um requisito para uso exclusivo de
    hospitais especializados ou de referência no tratamento de pacientes com doença respiratória
    aguda 2019-nCoV suspeitos ou confirmados. No entanto, países ou jurisdições locais podem
    optar por cuidar de pacientes nesses hospitais se esses forem considerados com maior
    probabilidade de atender com segurança pacientes com suspeita ou confirmação de infecção
    por 2019-nCoV ou por outros motivos clínicos (por exemplo, disponibilidade de suporte
    avançado de vida). Independentemente disso, qualquer estabelecimento de saúde que trate
    pacientes suspeitos ou confirmados de 2019-nCoV deve aderir às recomendações de controle
    e prevenção de infecções da OMS, a fim de proteger pacientes, funcionários e visitantes.

  • Quais são os desinfetantes recomendados para a limpeza ambiental em unidades de saúde
    ou residências que abrigam pacientes com suspeita ou confirmação de infecção por 2019- 
    nCoV? 

    A limpeza ambiental em instalações de saúde ou em casas que abrigam pacientes com
    suspeita ou confirmação de infecção por 2019-nCoV deve usar desinfetantes ativos contra
    vírus envolvidos, como 2019-nCoV e outros coronavírus. Existem muitos desinfetantes,
    incluindo desinfetantes hospitalares comumente usados, que são ativos contra vírus
    envelopados. Atualmente, as recomendações da OMS incluem o uso de:
    Álcool etílico a 70% para desinfetar equipamentos dedicados reutilizáveis (por exemplo,
    termômetros) entre usos.
    Hipoclorito de sódio a 0,5% (equivalente a 5000 ppm) para desinfecção de superfícies
    frequentemente tocadas em residências ou instalações de saúde.

  • Quanto tempo o 2019-nCoV pode sobreviver em uma superfície seca?

    Atualmente, não há dados disponíveis sobre a estabilidade do 2019-nCoV em superfícies.
    Dados de estudos de laboratório sobre SARS-CoV e MERS-CoV mostraram que a estabilidade
    no ambiente depende de vários fatores, incluindo temperatura relativa, umidade e tipo de
    superfície. A OMS continua a monitorar as evidências existentes em torno do nCoV e será
    atualizada quando essas evidências estiverem disponíveis.

  • Existem procedimentos especiais para o gerenciamento de corpos de pessoas que morrem
    em 2019-nCoV?

    Não, não há procedimentos especiais para o gerenciamento de corpos de pessoas que
    morreram de 2019-nCoV. As autoridades e as instituições médicas devem seguir suas políticas
    e regulamentos existentes que orientam o manejo post mortem de pessoas que morrem de
    doenças infecciosas.

Nota: Esta tradução não foi realizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). A OMS não é responsável pelo conteúdo ou acurácia desta tradução. A edição original em inglês deve ser a edição vinculativa e autêntica. 

https://www.who.int/news-room/q-a-detail/q-a-on-infection-prevention-and-control-for-health-care-workers-caring-for-patientswith-suspected-or-confirmed-2019-ncov 

Responsável pela Tradução: ABIH Associação Brasileira dos Profissionais em Controle de Infecções e Epidemiologia Hospitalar.


TAGS